14/04/2009

Visitem também os blogs abaixo

Agora estão disponíveis os links para o acesso aos blogs de nossos colegas de classe, que estão fazendo parte dessa luta pelo conhecimento.
O interessante desse espaço é criar maior interação entre os blogs, para que a informação e o conhecimento obtido nas aulas e visitas de cada grupo seja compartilhado e não fique restrito apenas ao grupo.

Fiquem à vontade para ler, aprender, viver e sentir um pouquinho das emoções que nós sentimos e compartilhar conosco esses sentimentos.


Blog Nosso Jeito

Blog Jornalismo Sem Fronteiras

Blog Liberte-se

Blog Letteri D'Avvisi

Blog Todo Poder À Imprensa

Blog Jornal G4

08/04/2009

Marcos no desenvolvimento do jornalismo

O desenvolvimento do jornalismo teve como marco inicial a revolução industrial, que dá início ao crescimento das metrópoles e assim nasce a necessidade de informação e conhecimento do novo, do que acontecia no espaço público. Outro fato importante foi o aperfeiçoamento dos suportes que levariam o conhecimento e as informações como o telégrafo, o rádio e a televisão que dariam impulso para ultrapassar novas fronteiras da tecnologia.

Nesse mesmo século o jornalismo tem outro ponto importante: o desenvolvimento dos mass media, que se dava, nesse momento o início da comunicação em massa, uma comunicação abrangente, para todos.

Com o aparecimento do penny press, cai o conceito de que o jornalismo só se interessa pelas notícias políticas e politizadas e dá início a um jornalismo comercial, voltado para a venda. Aqui, os jornais passam a ser produzidos como forma de obtenção de lucros aumentando a tiragem. Isso oferece à massa um novo produto: um produto que vende informações e não mais opiniões.


Apesar disso, o desenvolvimento da fotografia é fundamental para a modificação e aprimoramento do jornalismo. Neste contexto, concluímos que com a fotografia o real é tratado através de imagens, o que levaria o fato muito mais próximo do leitor, “garantindo” que aquilo aconteceu verdadeiramente.

O jornalismo e as necessidades do conhecimento

O que é conhecimento na sociedade atual? Tendo isso em mente, devemos esclarecer que o conhecimento se dá através de um conjunto de informações absorvidas pelo seu receptor, e este julgará, mais tarde, se aquelas informações vão de acordo com sua “própria opinião”, ou valores.
O receptor irá refletir sobre as informações e filtrá-las. A partir disso, vemos que o conhecimento leva o indivíduo a romper o seu senso comum, uma vez que ele recebe informações imparciais.

Portanto, o jornalismo contemporâneo é capaz de atender às necessidades de conhecimento da sociedade pós-moderna?
Se tratarmos a informação como forma de conhecimento, não, o jornalismo não atende às necessidades de conhecimento da sociedade atual e sim à necessidade de informações; porque, como já citamos no parágrafo anterior, o conhecimento leva o receptor de informação a se questionar, a se posicionar perante assuntos polêmicos e quebrar seu status quo.
Porém, a informação nem sempre vem de forma imparcial ou neutra, fazendo com que o receptor seja uma mera cópia de opiniões de autoridades públicas ou privadas que são divulgadas nos meios de comunicação de massa e por isso não pensa, não gera conhecimentos.

Se olharmos o jornalismo contemporâneo como forma de obtenção de informações, aí sim seria válida a ideia de que aquele responde às necessidades deste na sociedade.
Hoje, vivemos em uma cultura superficial, de velocidade de comunicação devido aos meios online desenvolvidos ao longo dos séc. XIX e XX e esses dois fatores exigem dos meios de comunicação uma produção exageradamente rápida, gerando assim informações superficiais.

Para que isso seja revertido, é preciso pensar no jornalismo do ponto de vista de James Mills que diz que a imprensa deve ser a “agitadora” da população; podemos ver isso no trecho em que o autor diz “O povo, para estar no seu melhor estado, deveria parecer pronto e impaciente para entrar em ação (...)
A imprensa, que é o nosso único instrumento, tem neste momento a efetuar a mais delicada e exaltante função que algum poder teve até agora que desempenhar neste país”.

03/04/2009

Um novo golpe


video

Video: Érica Beltrame


A Terceira Onda realiza cobertura especial sobre a obrigatoriedade do diploma de jornalismo. Veja os links:

Uma resposta serena

A união faz a força

A curiosidade de Brasília

Júnia Mariano, jornalista de Limeira, e a sua opinião sobre a obrigatoriedade do diploma

Depoimentos de diversos jornalistas sobre a obrigatoriedade do diploma

A constitucionalidade do diploma de jornalismo

Uma resposta serena

Ministro Joaquim Barbosa - caminhando ao lado do Ministro Menezes Direito.
Os dois Ministros observaram a manifestação feita por estudantes da UNIMEP, PUC-CAMP e UNICAMP, seguidos pela imprensa eufórica por uma posição sobre a votação. Os Ministros durante o passeio ao redor do Supremo Tribunal Federal deixaram como resposta uma certa "serenidade" em relação a manifestação e a propria votação.

Por: Érica Beltrame
Foto: Érica Beltrame
Maurício Azêdo - Presidente da ABI - Associação Brasileira de Imprensa em entrevista durante o intervalo da votação.
Por: Érica Beltrame
Foto: Érica Beltrame

A união faz a força

Estudantes e professores juntos em torno de um objetivo.
"Oh Gilmar Mendes preste atenção, muito respeito com a nossa profissão"

Por Fernando Galvão
Fotos: Érica Beltrame

A curiosidade de Brasília

A manifestação, liderada pela UNIMEP, no dia 1 de abril gerou a curiosidade de parlamentares, funcionários públicos, presidentes, entre outros.

Por Fernando Galvão
Fotos: Érica Beltrame e Fernando Galvão

02/04/2009

Jornalista de Limeira opina sobre a obrigatoriedade do diploma

"O jornalista é um educador também" - com esta frase, a jornalista limeirense, Júnia Mariano, de 37 anos - que atualmente é assessora de imprensa da Câmara Municipal de Limeira - definiu a sua posição quanto a não obrigatoriedade do diploma para exercer a função de jornalista. O recurso - que seria votado ontem, 1º de abril, no Supremo Tribunal Federal - foi adiado para o próximo dia 15, e promete criar mudanças radicais na imprensa do Brasil (veja matérias abaixo publicadas por Fernando Galvão).

Jornalista há 13 anos, formada pela Universidade de Alfenas, Minas Gerais, e pós graduanda do curso de "Gestão da Comunicação", na Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, Mariano afirma que a qualidade do que se é produzido pela imprensa será prejudicada, caso o diploma passe a não ser essencial ao jornalista: "O diploma lapida o profissional jornalista, que apura, em todos os casos, o peso das informações", diz.
Sérgio Murillo de Andrade, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), declarou, por meio da assessoria da Federação, que o adiamento do julgamento do recurso contra o diploma é decorrência da mobilização dos apoiadores do diploma, que, inclusive, está revertendo o clima do “já ganhou”, de empresários contrários a este exigência do diploma: “Mais uma vez os jornalistas, professores, estudantes e representantes da sociedade deram provas de capacidade de mobilização e combatividade em defesa do direito dos cidadãos à informação com qualidade”, disse.

Veja mais em: http://www.fenaj.org.br/.

Leonardo Belquiman, integrante do grupo "A Terceira Onda", é clicado por fotógrafos da globo.com durante a manifestação de ontem. Leonardo é o último rapaz da direita, com a camiseta da Unimep. Érica e Fernando estiveram acompanhando as manifestações também! Valeu, moçada!



por Ronald Gonçales